home Alimentação e Saúde, Estilo de Vida O que devo comer quando tenho a garganta inflamada?

O que devo comer quando tenho a garganta inflamada?


Quando você está com a garganta inflamada, sintomas como sensação de bolo na garganta ou ardência na garganta podem causar dificuldade ao beber ou comer. Quais são algumas comidas que trazem benefícios quando você tem a garganta inflamada?

Alimentos e bebidas que você deve ingerir

Alimentos macios são muito fáceis de engolir e são, normalmente, seguros para se comer quando tem a garganta inflamada. A textura macia ajudará a controlar a irritação que sente em sua garganta. Alimentos e bebidas quentes também podem ajudar a mitigar as dores.

Alguns alimentos que você deve comer são:

  • massa quente e cozida, incluindo macarrão e queijo
  • aveia morna, cereais cozidos ou grãos
  • sobremesas de gelatina
  • iogurtes simples ou iogurtes com frutas purê
  • legumes cozidos
  • smoothies de frutas ou vegetais
  • purê de batata
  • sopas à base de caldo e creme
  • leite
  • sucos não ácidos, como uva ou suco de maçã
  • ovos mexidos ou cozidos
  • picolés

Comer ou beber alguns dos elementos desta lista vai permitir que você se mantenha bem alimentado e hidratado, sem que para isso tenha que irrita ainda mais a sua garganta.

Alimentos e bebidas que deve evitar

Você deve evitar alimentos que possam irritar sua garganta ou que são difíceis de engolir. Com estas características temos:

  • biscoitos
  • pão duro
  • temperos picantes e molhos
  • refrigerantes
  • café
  • álcool
  • lanches secos, como batatas fritas, pretzels ou pipocas
  • legumes frescos e crus
  • frutas ácidas, como laranjas, limões, tomates e toranjas

Em algumas pessoas, os produtos lácteos podem engrossar ou aumentar a produção de muco. Isto pode fazer com que tenha de limpar a garganta com mais frequência, gerando maior dor.

Como tratar a garganta inflamada

A primeira e mais eficaz maneira de aliviar a dor na garganta é gargarejando uma mistura de água quente e sal. Não deve engolir a mistura, mas sim cuspir após algum tempo a gargarejar.

Alguns remédios herbais podem ajudar. Spray, gotas ou chás à base de ervas que contêm raízes de alcaçuz ou flor de madressilva podem proporcionar algum alívio. Antes de usar um tratamento à base de plantas, certifique-se de estar ciente de quaisquer potenciais:

  • efeitos colaterais
  • alergias
  • interações com outros medicamentos
  • interações com outros suplementos de ervas

Se você não tem certeza do que pode tomar com segurança, pergunte ao seu médico. Isto é especialmente verdadeiro se você está grávida ou pensa que está grávida. Alguns remédios herbais não são seguros para usar durante a gravidez.

Você também pode usar medicamentos sem receita médica. As pastilhas de garganta que você pode obter em algumas mercearias e farmácias não só tiram a dor de garganta durante algum tempo, como também têm um sabor agradável e tranquilizante.

Quando procurar ajuda especializada

Se a inflamação da garganta não desaparece ao fim de algum tempo, procure ajuda médica. A maior parte das inflamações surgem devido a infeções virais como resfriados ou gripe e infeções bacterianas como a faringite estreptocócica. Se você tem uma infeção bacteriana, seu médico pode prescrever-lhe um antibiótico. Os antibióticos não servem para tratar de uma dor de garganta que ocorre devido a uma infecção viral.

Doenças na garganta também podem ocorrer devido a fatores ambientais como alergias sazonais, inalação de fumaça de cigarro ou mesmo ar seco. As pessoas que roncam também podem ter dor de garganta.

Consulte seu médico se sua dor de garganta se tornar insuportável e você está começando a se sentir pior ou se você tiver outros sintomas associados como:

  • dificuldade em engolir ou respirar
  • febre
  • erupção cutânea
  • glândulas inchadas
  • dor inexplicada ou dores nas articulações

Você também deve consultar seu médico se sua dor de garganta dura mais de uma semana. Seu médico pode executar testes para excluir qualquer coisa que precise de mais atenção.

Veja mais artigo da mesma autora em Saúde SOS.

Veja também